Connect with us

Business

A essencialidade dos caixas eletrônicos na pandemia

Published

on

Dinheiro ainda é o “rei” dos meios de pagamento e os ATMs foram fundamentais para manter a economia americana funcionando durante a pandemia

Diferentemente do que ocorre no Brasil, em que os caixas eletrônicos são operados basicamente pelos bancos e uma única operadora privada, nos Estados Unidos o mercado de ATMs é bastante competitivo e tem até empresas como a Brinks, transportadora de valores, entre os principais players.

Com a chegada da pandemia aos Estados Unidos, nos primeiros 60 dias alguns estados decretaram lockdown total, com abertura permitida apenas para negócios essenciais, como postos de gasolina, supermercados e farmácias. Como o dinheiro ainda é o principal meio de pagamento, embora os meios eletrônicos tenham crescido substancialmente nos últimos anos, os ATMs também passaram a ser considerados negócio essencial durante a pandemia.

Francisco Moura Junior, Chief Marketing Officer, Chief Commercial Officer e um dos fundadores da ATM Club, empresa especializada no gerenciamento de caixas eletrônicos nos Estados Unidos, informa que os ATMs mantidos em locais que ficaram fechados foram recolhidos e posteriormente realocados para outros estabelecimentos considerados essenciais. “Embora, durante o lockdown, as máquinas dos nossos investidores que estavam em locais com funcionamento restrito tivessem deixado de faturar, por outro lado eles não tiveram de arcar com outras despesas, já que a nossa rede não tem custo fixo mensal para quem investe”, frisa.

O executivo informa que somente em 2020 circularam mais de US$ 3 trilhões nos Estados Unidos em volume de transações. “O americano costuma usar uma frase para justificar o uso do dinheiro em espécie: ‘cash is the king’, porque saques de valores até US$ 100 são feitos principalmente nos caixas eletrônicos”, ressalta Francisco.
Ele aponta como fator preponderante para essa movimentação de dinheiro em espécie a ajuda financeira que o governo americano concedeu aos cidadãos durante a pandemia, fazendo com que os saques em ATM se tornassem a quarta opção mais utilizada para movimentar dinheiro. “Durante o ano de 2020 houve um impacto no mercado de caixas eletrônicos, mas foi pequeno em relação ao que imaginávamos frente outros negócios. Apenas 15% de nossas máquinas ficaram paradas”, relata Francisco.

Segundo o CMO da ATM Club, com a quebra de uma série de negócios por causa da pandemia e o alto endividamento da população, muitas pessoas acumularam dívidas no cartão de crédito, muitas contas bancárias foram fechadas e cresceu o uso dos chamados gift cards ou cartões de presente, cartões pré-pagos das bandeiras Visa e Mastercard que podem ser creditados com um valor que a pessoa pode usar. “Esse mercado de pré-pago acabou fomentando o volume de transações porque para ter acesso ao dinheiro, o portador precisa ir ao ATM para sacar. Isso aumentou o volume de transações principalmente dos cidadãos não bancarizados”, atesta Francisco.

O executivo ressalta que os Estados Unidos é um país essencialmente de classe média, com uma grande quantidade de imigrantes não regularizados, o que faz com que muitos deles não tenham sequer conta em banco e tenham que pagar suas despesas basicamente com dinheiro vivo.

Ele ainda aponta um hábito das pessoas que vão muito às casas de jogos de azar, “como aquelas maquininhas caça-níquel e para jogar é preciso dinheiro e geralmente dentro do local há um ATM onde a pessoa pode sacar para poder apostar”.

Segundo Francisco, no começo da pandemia havia um receio de que o vírus se transmitia nas superfícies, fazendo com que a ATM Club instalasse em suas nossas máquinas — com anuência dos investidores — uma proteção no teclado para evitar o contágio por meio do contato. Pouco tempo depois, o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos emitiu um artigo informando que o vírus não se transmitia pela superfície, mas somente de pessoa para pessoa, fazendo com que o mercado em geral e especialmente o de ATM ficasse menos incomodado.
Como funciona a ATM Club

Presente em cidades como Orlando, Miami, Nova Iorque, Nova Jersey e São Francisco, a ATM Club tem uma rede hoje de aproximadamente 700 pontos de atendimento e o investidor pode formar uma rede própria de acordo com o aporte inicial. Francisco Moura Junior recomenda um investimento inicial de US$ 100 mil, o que equivale a dez caixas eletrônicos. “O valor do investimento mínimo é de US$ 10 mil, sendo US$ 7,5 mil do ATM, licenças, frete, sistemas, marketing e locação por cinco anos e US$ 2,5 mil de capital de trabalho que é o dinheiro que circula, ou seja, está na máquina ou na conta e é aportado uma única vez”, explica o empresário.
Segundo Francisco, o investimento numa rede de dez ATMs atinge um retorno líquido de 8% no primeiro ano. “No segundo ano, a estimativa é de retorno de 10% e a partir do terceiro ano, o ROI é de 1% ao mês”, pontua.

Ele ainda ressalta que o negócio passa segurança ao investidor porque não existem aportes mensais para cobrir eventuais riscos ou prejuízos que venham a ocorrer, pois o giro é feito por meio das transações feitas nos caixas.

Nos Estados Unidos, quando uma pessoa retira dinheiro em um caixa eletrônico, paga uma taxa média de US$ 2,99 por saque. 30% dessa taxa é transferida para o local onde o caixa eletrônico está instalado, US$ 0,60 são relativos ao capital de giro para distribuição eletrônica de dinheiro são utilizados para serviços de manutenção e administração e o valor restante é para o próprio investidor. Dessa forma, o proprietário do caixa eletrônico receberá diariamente US$ 1,39 por transação.

Outras informações sobre o ATM Club podem ser obtidas no site http://atmclub.cash.

** Este texto não necessariamente reflete, a opinião deste portal de noticias

Continue Reading

Business

Após o carnaval, 8 a cada 10 brasileiros continuam endividados

Published

on

By

60% possuem débitos com cartão de crédito em aberto e 43% buscam negociações com banco

O começo do ano é geralmente um período utilizado por muitos brasileiros para se reorganizar financeiramente, pelo menos é o que 12 milhões de brasileiros já fizeram no primeiro bimestre. Ao todo 17 milhões de dívidas foram “desnegativadas”, quitadas ou equacionadas e o total renegociado chega a R$ 35,6 bilhões, segundo dados obtidos através do programa Desenrola Brasil.

Mas para 44% dos brasileiros o ano começa depois do carnaval e os altos índices de endividados continuam em fevereiro. Segundo dados do Raio-X dos Brasileiros em Situação de Inadimplência, 8 em cada 10 brasileiros encerraram o ano de 2023 com dívidas e destes um terço continuam com contas atrasadas. Débitos com bancos (64%) e cartão de crédito (60%) são as fontes dos débitos em aberto, segundo base de dados do Instituto Locomotiva e da Serasa.

Em janeiro, 76% dos brasileiros procuraram alguma forma de crédito, sendo o serviço de cartão o mais buscado. Em relação à finalidade do crédito solicitado em empréstimos pessoais, 41% afirmou ser para investimentos, 21% para pagar contas básicas e 26% para pagar dívidas de contas básicas.

Segundo Fernando Lamounier, educador financeiro e sócio diretor da Multimarcas Consórcios, o cartão de crédito continua sendo um dos grandes dificultadores porque é visto como um valor adicional ao orçamento mensal. “Os brasileiros vêm utilizando a modalidade para compras do dia a dia e a capacidade de parcelamento levou-os a acreditar que ao dividir uma compra a dívida fica menor, quando na realidade, as pessoas estão apenas  antecipando as dívidas do próximo mês”, explica.

Em sequência, aparece o setor de água e luz (11,33%), comércio (11,20%) e outros com 7,16%. Sudeste, Nordeste e Norte lideram o ranking das regiões com mais débitos é o que mostra os dados apresentados pela  CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito). Muitas famílias ainda são reféns da utilização de créditos para complementar o orçamento mensal e a utilização de diferentes solicitações podem levar a refinanciamentos.

“Para os brasileiros, a instabilidade econômica do país é o agente dificultador de um padrão de vida financeira saudável para o cidadão comum. A alta inadimplência deve-se à situação dos salários baixos e desemprego elevado”, explica o especialista.

A previsão é que para o mês de março aumente o número de brasileiros buscando negociações e acordos para sair da lista de inadimplência. Segundo a Serasa, todos os meses mais de 26 milhões de pessoas acessam o site e o aplicativo. A instituição afirma que com a nova parceria com o programa Desenrola do Governo Federal, o número deve aumentar e mais facilidades devem ser ofertadas.

Pensando nisso, o especialista separou 3 dicas para auxiliar quem está no vermelho:

Faça um levantamento dos gastos, anotando todas as futuras despesas. Análise as áreas em que é possível economizar, buscando alternativas mais econômicas e eficientes.

Utilize a regra 50, 30 e 20 para organização das finanças e priorize as despesas mais importantes, evitando o endividamento. A regra financeira é simples e divide o orçamento em três partes: 50% para gastos fixos e essenciais; 30% para gastos variáveis e que podem ser reduzidos se necessário; e 20% para investimentos ou criação de um fundo de reserva.

Evite dívidas desnecessárias para manter seu orçamento saudável é extremamente importante avaliar com atenção suas necessidades antes de efetuar compras parceladas ou solicitar empréstimos. Portanto, ao planejar suas finanças, lembre-se de considerar cuidadosamente se a compra é realmente necessária para atender às suas necessidades imediatas e se você terá capacidade de pagar as parcelas mensais ou as prestações dentro do prazo estabelecido.

** Este texto não necessariamente reflete, a opinião deste portal de noticias

Continue Reading

Business

Brasil tem 4 em cada 10 Edtechs mais promissoras da América Latina, segundo HolonIQ

Published

on

O reconhecimento selecionou 100 empresas na região e analisa o desenvolvimento e implementação de tecnologias educacionais

Dados da premiação “The Latin America EdTech 100”, promovida pela HolonIQ, revelaram que, das cem EdTechs mais promissoras da região, reconhecidas em 2023, 42% são do Brasil – uma tendência que é observada desde 2020. O ranking foi seguiu com México, Argentina e Colômbia. Veja os dados completos no gráfico a seguir:

Uma das EdTechs destacadas pela premiação foi a Layers, uma startup de São Caetano do Sul que conquistou um espaço pela terceira vez consecutiva, desta vez na categoria “Management Systems” ao lado de empresas brasileiras como educbank, Scaleup, Arvore, Motrix, Alura, Gomining, entre outras.

“No Brasil, as EdTechs são catalisadoras da transformação digital da educação. Juntas, podem proporcionar soluções abrangentes para as principais dores do setor educacional, como iniciativas personalizadas e adaptáveis, permitindo que as instituições escolham o que melhor se encaixa em sua realidade, promovendo a inovação e a eficácia. Por meio de parcerias e colaborações, essas empresas têm contribuído para a expansão do acesso à educação de qualidade no país, promovendo a inclusão e aprimorando a eficácia do processo de ensino-aprendizagem”, avalia o CEO da Layers, Danilo Yoneshige.

Ainda de acordo com o levantamento da HolonIQ, 30% das edtechs premiadas, considerando toda a América Latina, foram fundadas em até 3 anos, o que indica o imprescindível apoio ao “early stage” na região. Em relação às soluções desenvolvidas para os segmentos de Ensino Fundamental (K12), Superior e Profissional (Workforce), é o Brasil e o México que lideram por meio de startups mais maduras.

A HolonIQ é uma empresa que atua no campo da educação, focada em impulsionar a transformação educacional global por meio de inovações e soluções tecnológicas avançadas. Seu trabalho abrange o desenvolvimento e implementação de tecnologias educacionais, a análise de dados e tendências no setor, além de oferecer insights estratégicos para instituições de ensino, governos e empresas. A HolonIQ busca melhorar a acessibilidade, personalização e eficácia do aprendizado, contribuindo para moldar o futuro da educação em escala global.

“Ao longo dos 5 anos de existência, a Layers tem o propósito de transformar a tecnologia na maior aliada do aprendizado, para que possamos construir uma educação mais inclusiva e personalizada. Entender que esse objetivo está ganhando repercussão internacional é uma satisfação enorme e nos mostra que estamos no caminho certo e vamos continuar”, declara Yoneshige.

A Layers é a startup responsável por criar o único SuperApp da Educação capaz de unificar todas as ferramentas de gestão da escola em um só ambiente online, com integração profunda a outros sistemas de gestão, e acesso a ferramentas de comunicação, atendimentos e agenda. Com sua capacidade de integração, oferece a oportunidade de outras edtechs unificarem suas soluções e acessarem o mercado educacional, reforçando o verdadeiro significado de “all-in-one”. Já são 1900 instituições de ensino atendidas, 22 redes e mais de 750 mil alunos

Critério da premiação

De acordo com a HolonIQ, o objetivo da premiação é identificar as mais promissoras startups em cada grande região do mundo. Para serem elegíveis, as startups devem ter menos de 10 anos, ter sede na região em questão ou estar predominantemente focadas no mercado competente (por exemplo, > 80% de receita/clientes de educação). Elas também devem ser consideradas “startups” (ou seja, não terem sido adquiridas, serem subsidiárias ou listadas) e não serem controladas por um grupo de investidores (por exemplo, através de aquisição por private equity ou investimento controlador).

A HolonIQ Education Intelligence Unit e especialistas de mercado selecionados avaliam cada organização com base na metodologia de pontuação de startups da HolonIQ, que em resumo abrange as seguintes dimensões:

  • Mercado: A qualidade e atratividade relativa da categoria de mercado específica na qual a empresa atua;
  • Produto: A qualidade, singularidade e impacto do produto em si;
  • Equipe: A expertise e diversidade da equipe de liderança;
  • Capital: A saúde financeira da empresa e sua capacidade de gerar ou garantir financiamento suficiente;
  • Momentum: Mudanças positivas no tamanho, velocidade e impacto da empresa ao longo do tempo.

** Este texto não necessariamente reflete, a opinião deste portal de noticias

Continue Reading

Business

COMEMORAÇÃO DE 40 ANOS DA ABRAJET-SP INCLUI VISITA TÉCNICA Á FESTA DA UVA EM JUNDIAÍ

Published

on

A ABRAJET-SP – Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo Seccional São Paulo está comemorando 40 anos. Diversas ações foram preparadas para a comemoração, entre elas, algumas visitas técnicas. A Festa da Uva foi uma das escolhas. Confira conosco a tradição desta festa que é sucesso absoluto de público e da história da UVA com rainha e princesas.
Uva em Jundiaí (SP) tem registro de Indicação Geográfica
Ação intensifica o fluxo turístico na região, gerando emprego e renda
Recentemente, em Jundiaí (SP), a uva Niágara Rosada passou por um processo de estudo para que pudesse ser registrada como Indicação Geográfica. Isso é resultado de uma qualificação diferenciada da fruta tem qualidade, com características de aroma, coloração, sabor e quantidade de açúcar, que são diferentes das espécies produzidas em outras regiões.
Marcela Moro, coordenadora da Festa da Uva de Jundiaí que chega a sua 90ª edição em 2024, explica que como este tipo de uva nasceu em Jundiaí, já é divulgada com tipo de indicação geográfica que é a IP, ou seja, indicação de procedência.
Ela explica que a uva surgiu por conta de um fenômeno nos parreirais de Jundiaí. “Isso foi no bairro do Traviú, em 1933. No ano seguinte foi realizada a primeira Festa da Uva de Jundiaí”.
Foram quase dez anos de muito trabalho para obter essa marca de indicação geográfica da Uva Niágara de Jundiahy. A escrita Jundiahy remete a uma característica histórica do período em que a Niágara surgiu, em 1933. Nessa época, faziam parte da área de Jundiaí os municípios de Louveira, Itapeva, Vinhedo e Jarinu. “São essas cidades que estão na indicação. E isso traz muita gente de fora para comprar o produto específico daquela região. É uma ação que intensifica o fluxo turístico que, em 10 anos, subiu mais de 1% por conta da indicação dos vinhos”, conta Marcela.

Histórico
A indicação é uma forma histórica que acontece no mundo inteiro, não é só aqui no Brasil. A coordenadora contextua que a primeira indicação geográfica que se tem registro no mundo é a do vinho do Porto, em 1756. “Ela foi criada exatamente para valorizar esses produtos que têm características específicas por conta da origem em que eles estão que eles são desenvolvidos”.
Marcela ainda explica que para dizer hoje que o é vinho do Porto, ele somente pode ser produzido na região do Porto. “Se você for comprar garrafas que fazem este vinho em outro local, os produtores colocam vinho tipo do Porto. O mesmo acontece com a linguiça calabresa, o queijo provolone”.
No Brasil já existem registros de algumas indicações geográficas, como os vinhos da região do Vale dos Vinhedos, os espumantes de Farroupilha e o queijo da Canastra. “E quando a gente fez todo o estudo da gente geográfica da Niágara Rosada foi exatamente para isso. Para comprovar que temos uma fruta diferenciada e que é um grande atrativo para o mundo todo”, reflete a coordenadora.

Sobre a Festa da Uva
A primeira Festa da Uva de Jundiaí foi realizada em 1934 no Centro, utilizando-se das ruas no entorno odo antigo Mercado Municipal e do grupo escolar Conde do Parnaíba. Devido ao sucesso de público, que superou a casa dos 100 mil visitantes logo na primeira edição, pensou-se em construir um espaço especial para recebê-la.
Em 1953 foi inaugurado o Parque Municipal Antônio Carbonari (Parque da Uva), localizado no bairro do Anhangabaú, logo em uma das entradas principais do Município. Desde 2013, além de Festa da Uva, este tradicional evento do calendário municipal passou a ser comemorado junto com a Expo Vinhos.
Jundiaí ficou um período sem comemorar a Festa da Uva, entre os anos de 1938 e 1947, por conta da 2ª Guerra Mundial e em 2021 e 2022, devido às restrições da pandemia do COVID-19. Em 2023 retomou as atividades, desta vez, com 4 finais de semana repletos de atrações para toda a família.

Serviço Festa da Uva
Janeiro – 11, 12, 13 e 14 | 19, 20 e 21 | 26, 27 e 28 |
Fevereiro – 2, 3 e 4.
Local – Parque da Uva | Avenida Jundiai – s/n
Cidade – Jundiaí (SP)
Site – festadauva.jundiai.sp.gov.br

*Fonte: Diretoria de Turismo Jundiaí

** Este texto não necessariamente reflete, a opinião deste portal de noticias

Continue Reading

Facebook

Advertisement

Mais Lidas

Esporte3 dias ago

Penalty inova nas cores em linha de tênis infantis

A temporada de retorno às aulas já começou, e é essencial reconhecer o papel vital que bons materiais implicam na experiência...

Gestão4 dias ago

80% dos alunos que prestaram vestibular quer ingressar imediatamente, mas apenas 6 em cada 10 sabem onde querem estudar

Pesquisa realizada pela Somos Young reforça a urgência na reformulação do modelo acadêmico para receber alunos durante todo ano letivo....

Celebridades4 dias ago

Banda gaúcha atinge meio bilhão de streaming e famosos regravam a canção “Perigosa e Linda”

O reconhecimento do sucesso do grupo gaúcho despertou interesse em famosos, como o da cantora Roberta Miranda “Perigosa e Linda”....

Empreendedorismo5 dias ago

De advogada a Empresária de Sucesso: conheça Táta Coldibeli

Nascida em Fartura, São Paulo, Patricia Coldibeli, iniciou seu negócio de sucesso no meio da pandemia, e mudou sua vida...

Business5 dias ago

Após o carnaval, 8 a cada 10 brasileiros continuam endividados

60% possuem débitos com cartão de crédito em aberto e 43% buscam negociações com banco O começo do ano é...

Business6 dias ago

Brasil tem 4 em cada 10 Edtechs mais promissoras da América Latina, segundo HolonIQ

O reconhecimento selecionou 100 empresas na região e analisa o desenvolvimento e implementação de tecnologias educacionais Dados da premiação “The...

Geral7 dias ago

Perfumaria Francesa investe no público latino e conquista consumidores fiéis

À medida que nos aproximamos das Olimpíadas de Paris 2024, os olhos do mundo se voltam para a cidade que...

Celebridades1 semana ago

Com Endrick, Prova Bate e Volta e Pocah, Neosa ativa patrocínio do BBB 24

Lucas Henrique chamou a Neosa e se salvou das dores de cabeça do nono paredão  A Neosaldina, marca referência no...

Método i9 empreendedor por Camila Silveira1 semana ago

Camila Silveira, esclarece sobre os Avanços da Neuralink: Desafios Éticos e Promessas Tecnológicas em Foco

A recente divulgação dos avanços da Neuralink, empresa fundada pelo empresário Elon Musk, na criação de um chip cerebral implantável,...

Entretenimento1 semana ago

Sucesso na temporada 2023 o Cola Mais Podcast estreia em 2024

Idealizado e apresentado por Douglas Magoo, Cola Mais Podcast encerra temporada e traz novidades para 2024 Sucesso foi a palavra...

Advertisement

Advertisement

Mais Lidas

Copyright © Meio e Markting - Todos os Direitos Reservados.